Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2008

O CHIBO



Esta história de alimentar a cultura bufa incentivando as pessoas a chamar a polícia para multar um tipo que se recuse a deixar de fumar num local proibido está a fazer-me saltar a tampa !

Falem, discutam, façam, excepcionalmente, uma ou duas daquelas cenas tristes em que o português é exímio - Apaga lá essa merda ou vou-te ao focinho ! Tu e mais quem ? Agarrem-me que eu vou-me a ele... etc, etc.

Eu sei, não é bonito, mas tudo é preferível a fazer queixinhas à polícia !

Logo no primeiro dia da aplicação da lei um desses lá chamou - Ó sr.guarda venha cá, está aqui um, está aqui um !

Alá é grande, o Buda é gordo, só o nosso é que é invisível...mas desta vez até lá estava : o prevaricador tinha-se ido embora e quem levou com a multa foi o delator que não tinha aviso na porta !

Mas a coisa não é de agora...

No tempo do Salazar havia muita coisa proibida, algumas completamente ridículas.
Por exemplo, eram proibidos os beijos na via pública e, sem a respectiva licença, não se podia acender um isqueiro.

O rectângulo de cartolina fina, com um selo branco, brasão da república e o pomposo título de LICENÇA DE ISQUEIRO, tinha de acompanhar sempre o utilizador.

Quem passava a licença era a Fosforeira Nacional, que não sendo uma empresa estatal era como se fosse, já que era de uma família muito amiga do ditador.

Estou mesmo a ouvir a conversa. - ó António apareceram aí uns aparelhómetros que fazem chama e estão-me a estragar o negócio.
- Vou já proibir isso ! Vão ter de te pagar o prejuízo ! Passa-lhes uma licença ! Vou já fazer uma lei !

O isqueiro podia ser aceso ' debaixo de telha '. Na rua só com licença. Do nada surgia um paisana, levantava a lapela e lia-se fiscal. Que raio de profissão - fiscal de isqueiros.

A licença custava 10$00 e a multa era de 250$00 ( um ordenado, na altura !) e seria dividido assim: 70% revertia para a Fosforeira, 30% para o fiscal, quantia esta a ser dividida,quando era o caso, com o delator da infracção, vulgo ' o chibo '.

Estão a ver a cena ? Ó Sr.guarda venha cá, está aqui um, está aqui um !

Os chibos tiveram o seu tempo áureo na altura da pide, treinavam com as licenças de isqueiro e tiravam o tirocínio a lixar a vida do parceiro do lado.

Não me apetece nada vir a viver num país de chibos !



 
publicado por entreparentes às 12:25
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De pedrocs a 17 de Janeiro de 2008 às 16:55
Não resisto a citar o povo, via José Mário Branco no seu grande "FMI":

Oh sr. guarda venha cá, á,
venha ver o que isto é, é,
o barulho que vai aqui, i,
o neto a bater na avó, ó,
deu-lhe um pontapé no cu, né filho?
De rais parta ó miúdo! a 29 de Janeiro de 2008 às 11:53
Havia quem transporta-se uma telha...

Comentar post

.pesquisar

 

.Sítios que eu visito

.posts recentes

. Daqui a 1 mês não tenho n...

. O Xico Careca e o Faceboo...

. As escadinhas da Regina

. Já lá vão 50 anos...

. Escrever...

. O TAI CHI E EU (I)

. Voltei !

. Vou fazer Harakiri...

. Saravá, amigo de Apucaran...

. Como é que se diz ? Parec...

.arquivos

. Maio 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Julho 2007

. Outubro 2006

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds